30 de dezembro de 2010

Sérgio Buarque de Holanda - Raízes do Brasil

Esta resenha foi escrita por Fábio Antonio Costa

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil; organização de Ricardo Benzaquem de Araújo; Lilia Moritz Schwarcz. Edição revisada. São Paulo: Companhia das Letras. 2006. Capa dura.

Lançada em comemoração aos 70 anos da primeira edição de Raízes do Brasil, está obra é dividida em duas partes, a primeira com o texto de Raízes do Brasil, próximo ao meio um acervo de fotos de Sérgio Buarque de Holanda e na segunda metade artigos de estudiosos no autor e sua obra.

Nos dois prefácios iniciais do livro[1] Holanda fala das mudanças que ele introduz na segunda edição (como a mudança do título Semeador e Ladrilhador) e no segundo prefácio as mudanças como o índice onomástico e o debate com Cassiano Ricardo. No primeiro capítulo do livro (Fronteiras da Europa) inicia-se com um estudo profundo do reino português e suas peculiares características, como um “território-ponte” descarregado do europeísmo de outras nações. Algumas características particulares são destacadas como próprias dos dois reinos ibéricos. Conceitos como a Cultura da Personalidade, as divisões entre as classes sociais menos rígidas como em outras partes, o conceito ócio/negócio, as precárias idéias de solidariedade e do conceito de cultura, que segundo Holanda só absorve outras que lhe convém, são apresentadas como algumas das várias características dos povos espanhóis e portugueses.

No capitulo 2 (Trabalho e Cultura) são discutidos dois aspectos do Brasil colonial; a valorização da figura do aventureiro (vinculada a idéia do português colonizador) e o oposto a figura do trabalhador. A partir do imaginário existente em Portugal, onde o trabalho não era bem visto na sociedade, como o próprio trabalho agrícola pouco valorizado na terra de El-rei pelas poucas almas lá presentes, ao contrário do Brasil, onde a maioria se constituía de negros e escravos. O capítulo finaliza com a influência holandesa no Recife (batizada de Nova Holanda) e a dificuldade dos Batavos de se adaptarem ao novo clima e habitantes.

Idéia próxima do capítulo anterior, neste (Herança Cultural) Holanda centraliza acerca das heranças adquiridas do Brasil por Portugal. Destarte, o destaque é a dicotomia cidade/campo, com a cidade (pobre) sendo apenas um anexo das atividades do campo (rico), destacando assim o poder do senhor rural. A escravidão no Império tinha um importante papel como fonte econômica do império. O fim do tráfico negreiro em 1850 obriga a mudança na economia brasileira por vias do capitalismo em sua modernização, como na construção da primeira estrada de ferro no Brasil (Mauá-Fragoso).

A separação entre Portugueses e Espanhóis é o tema central do quarto capítulo (O Semeador e o Ladrilhador). Aos Espanhóis (ladrilhadores) sobre as ordens do exclusivismo castelhano existia a ideia de uma linha reta (que ordenaria o mundo conquistado) e mais rígida que seus vizinhos da península. Em Portugal desde sua chegada a América, aproveitando-se da população indígena existente no litoral fazia pouco tempo e de baixa variação lingüística, os lusos em geral apenas partiam de um centro para construírem suas casas conforme o capricho dos moradores, assim como as mudanças costumeiras no reino Português. As bandeiras, a partir dos conceitos anteriores forneceram a silhueta posterior do Brasil.

A cordialidade dos Brasileiros é à base do capítulo 5 (Homem Cordial), nele Holanda discorre acerca das características dos Brasileiros, como a inhaeza no trato, hospitalidade, generosidade, apego aos diminutivos etc. Nos relatos posteriores do capítulo, como do estrangeiro da Filadélfia, em que os Brasileiros têm que serem amigos para negociar ou o interesse maior nos festejos que mesmo nos cultos reforçam a ideia do homem cordial.

O capítulo seguinte (Novos Tempos) alude sobre os rumos do Brasil naquela época. O título de doutor trazia “imunidade” e poder ao seu proprietário. Os positivistas considerados por Holanda “como uma raça que deu certo no Brasil” e a mudança da Monarquia para a República vinda de cima e na famosa descrição de Aristides Lobo enfatizam a ideia.

Um paralelo de idéias com o capítulo anterior é o tema do último capítulo de Raízes do Brasil (Nossa Revolução) com destaque ao Império Brasileiro. Com o fim da escravidão no Brasil acarretam-se outras mudanças, como a troca do engenho pela usina e uma maior democracia a partir do café, centros urbanos desestabilizando o arcaico sistema ultramarino e nossa curiosa participação na Guerra do Paraguai, mas por força que motivação dos participantes.

Na segunda parte do livro iniciam-se as homenagens acerca dos 70 anos de Raízes do Brasil, começando por fotos da vida de Holanda desde sua infância até próximo ao seu falecimento.

Antonio Candido (O Significado de Raízes do Brasil, 1967) compara a obra Raízes do Brasil com dois outros clássicos; Casa Grande & Senzala (Gilberto Freyre) e Formação do Brasil Contemporâneo (Caio Prado Jr.), atribuindo um caráter de maior importância ao escravo na primeira obra e marxista na segunda, disserta também como a direita Brasileira rejeita as obras nos primeiros momentos e finaliza com a ideia do contraste de impedir o dogmatismo, algo típico de Raízes do Brasil. Em 1986, Candido reescreve após Raízes de o Brasil completar 50 anos e enfatiza seu caráter popular. Alexandre Eulálio (Antes de tudo um escritor, 1986) faz uma leitura bibliográfica de Holanda, e destaca sua estadia na Alemanha, a faculdade Direito que Holanda cursou no Rio de Janeiro e a produção do texto Corpo e Alma do Brasil, que originou Raízes do Brasil. Evaldo Cabral de Mello traz importantes considerações como a influência da teoria da América, Weber, a sociologia alemã expressas em Raízes do Brasil e a obra Visão do Paraíso ser a pioneira da história das mentalidades no Brasil. Boliar Lamounier (Sérgio Buarque de Holanda e os grilhões do passado, 2006) enfoca a teoria culturalista de Raízes do Brasil, a clareza dos diagnósticos e entre outros, a flexibilidade do Portugal medieval, origem possível de um Brasil flexível. Antonio Arnoni Prado (No roteiro de Raízes, 2006) elucida a critica do Holanda aos modernistas e a visão do novo que Raízes do Brasil proporcionam ao leitor. Pedro Meira Monteiro (Buscando a América, 2006) centraliza-se na temporada alemã de Holanda. Robert Wegner (Um ensaio entre o passado e o futuro, 2006) disserta sobre a relação de Holanda e Gilberto Freyre, as aulas de Friedrich Meineche que Holanda assistiu e seu curso de Direito após a publicação de Raízes do Brasil. Uma das partes mais polêmicas do livro está na carta de Cassiano Ricardo (Variações do Homem Cordial, 1948), nela Ricardo disserta o conceito de Homem Cordial de Holanda profundamente, como a própria critica a este conceito e as mudanças feitas pelo próprio Holanda em Raízes do Brasil original, a ideia do Brasileiro conciliador e a inexistência do racismo no Brasil. Holanda no mesmo ano produz uma resposta (Carta a Cassiano Ricardo, 1948) em que chama de “interessantes” as considerações a Ricardo, faz uma discussão de bondade, refuta das fontes confusas de Ricardo e afirma que os Brasileiros não são piores ou melhores que qualquer outro povo. Rui Ribeiro Couto (El Hombre Cordiale, 1931) é a referência de Holanda do conceito de cordialismo, que segundo Couto é a contribuição latino-americana ao mundo da aventura Celtibérica. Corpo e Alma do Brasil, de 1935, é publicada na integra e a obra finaliza com uma detalhada cronologia de Holanda por Maria Amélia Buarque de Holanda ( produzida em 1979) e das muitas informações destacam-se a infância de Holanda na rua Higienópolis, suas andanças aos cinemas no centro de São Paulo, a amizade com Oswald e Mário de Andrade, sua vida movimentada nos bares e seu retorno ao Brasil da Alemanha em 1930.

Preço médio: R$ 30,00

[1] O primeiro de 1947 e o segundo de 1945 respectivamente

2 comentários:

  1. - Boa noite Fabio!gostaria de saber se vc faz trabalhos acadêmicos por encomenda!Patrícia

    ResponderExcluir